Representações sociais do trabalho para trabalhadores informais

Contenido principal del artículo

Vinicius Silva de Valentim
Camila Maffioleti Cavaler
Amanda Castro
Willians Cassiano Longen

Resumen

Objetivou-se identificar as representações sociais do trabalho para trabalhadores informais. Participaram do estudo 20 trabalhadores do Sul de Santa Catarina, Brasil, todos maiores de 18 anos e que exercessem o trabalho informal a pelo menos um ano. Para a coleta de dados, fez-se uso de entrevista semiestruturada. Os resultados foram examinados pela Análise de Conteúdo, compondo 5 temas, que abrangeram 17 elementos temáticos: “dificuldades do trabalho informal”, “trabalho como um meio para um fim”, “condições de trabalho”, “desvalorização do trabalhador” e “motivos para o exercício do trabalho informal”. Parte dos trabalhadores apontam vantagens do trabalho informal, mas a maioria relata dificuldades como ausência de direitos trabalhistas, dificuldades financeiras e desvalorização social. O conteúdo é marcado pela flexibilidade do trabalho informal, pela insegurança financeira e romantização do trabalho excessivo.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Silva de Valentim, V., Cavaler, C. M., Castro, A., & Cassiano Longen, W. (2021). Representações sociais do trabalho para trabalhadores informais. methaodos.Revista De Ciencias Sociales, 9(2), 244-257. https://doi.org/10.17502/mrcs.v9i2.469
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Vinicius Silva de Valentim, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Vinicius Silva de Valentim é Graduando em Psicologia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Bolsista de iniciação científica (PIBIC/UNESC).

Camila Maffioleti Cavaler, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina, bacharela em Psicologia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense, especialista em Metodologias do Ensino à Distância pela UNIASSELVI. É membra no Núcleo de Pesquisa Margens: Modos de vida, família e relações de gênero (UFSC) e do Núcleo de Pesquisa em Psicologia Jurídica (UFMG). Atua através de parceria firmada entre a UFSC e a Policia Civil do Estado de Santa Catarina. no Projeto Policia Civil por Elas, visando estratégias de prevenção à violência contra a mulher em SC. 

Amanda Castro, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Amanda Castro é Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina, área de concentração: Psicologia social e cultura, Linha de pesquisa: Representações e práticas sociais. Mestre em Psicologia- UFSC. Psicodramatista formada pela escola Viver Psicologia Psicodrama. Especialista em Psicodrama pelo Centro Universitário Amparense - Unifia. Didata e Supervisora em Psicodrama. Especialista em Psicologia do desenvolvimento pela Universidade de Araraquara - UNIARA.

Willians Cassiano Longen, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Willians Cassiano Longe é Doutor em ciências da saúde pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Mestre em engenharia de produção - ergonomia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Gestão Administrativa e Processos Organizacionais na Educação Superior e saúde coletiva. Graduado em fisioterapia pela PUC-PR e Ciências biológicas pelo Instituto Brasileiro de Formação - IBF. Linha de pesquisa Promoção da Saúde e Integralidade do Cuidado.

Citas

Abric, J. C. (2003): “Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes”, em Campos, P. H. e Loureiro, M. C.: Representações sociais e práticas educativas: 37-57. Goiânia: UCG.

Accorsi, A. e Scarparo, H. (2019): “Social representations of poverty”, em Ximenes, V. M., Moura Jr, J. F., Cidade, E. C., Nepomuceno, B. B: Psychosocial implications of poverty: diversities and resistances: 17-35. Springer.

Andrade, M. C. e Costa-Rosa, A. (2014): “O encontro da loucura com o trabalho: concepções e práticas no transcurso da história”, Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 7 (1): 27-41. Disponível na web: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v7n1/v7n1a04.pdf

Bardin, L. (2011): Análise de conteúdo. Lisboa: Edições.

Bendassolli, P. e Coelho-Lima, F. (2015): “Psicologia e trabalho informal: a perspectiva dos processos de significação”, Psicologia & Sociedade, 27 (2): 383-393. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n2p383

Bernardino, D. C. e Andrade, M. (2015): “O trabalho informal e as repercussões para a saúde do trabalhador: uma revisão integrativa”, Revista de Enfermagem Referência, 7: 149-158. http://dx.doi.org/10.12707/RIV14049

Cacciamali, M. C. (2001): “Padrão de acumulação e processo de informalidade na América Latina contemporânea: Brasil e México”, Pesquisa & Debate, 12 (1): 5-49. Disponível na web: https://revistas.pucsp.br/rpe/article/view/12004

Carvalho, R. G., Maciel, R. G., Matos, T. G. e Aquino, C. A. (2020): “Vivências de trabalho na informalidade: um estudo com feirantes de roupas na cidade de Fortaleza-CE”, Psico, 51 (2): 1-12. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.2.33744

Carvalho, S. S., Firpo, S. e Gonzaga, G. (2006): “Os efeitos do aumento da licença-maternidade sobre o salário e o emprego da mulher no Brasil*”, Pesquisa e Planejamento Econômico (PPE), 36 (3): 489-524. Disponível na web: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3795/1/PPE_v36_n03_Efeitos.pdf

Cavaler, C., Vitali, M. M., Leandro, M., Quadrso, L. F., Castro, A. e Soratto, J. (2020): “Representações sociais de ‘pobreza’ e ‘bolsa família’ para mulheres beneficiárias de programas de transferência de renda”, Barbarói, 57: 119-140. http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i57.14975

Dias, M. S. (2020): “O legado de Martin-Baró: a questão da consciência latino-americana”, Revista Psicología para América Latina, 33: 11-22. Disponível na web: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psilat/n33/a03n33.pdf

Filipak, A., Stefanello, S., Okada, J. M., Hunzicker, M. H. e Santos D. V. (2020): “‘O motor é a gente mesmo’: cuidado em saúde dos trabalhadores da reciclagem”, Interface (Botucatu), 24 (Supl. 1): 1-15. https://doi.org/10.1590/Interface.190472

Flick, U. (2004): Uma introdução à pesquisa qualitativa. Artmed: Porto Alegre.

Franco, T. (2011): “Alienação do trabalho: despertencimento social e desenraizamento em relação à natureza”, Caderno CRH, 24 (1): 171-191. https://doi.org/10.1590/S0103-49792011000400012

Gerhardt, T. E. e Silveira, D. T. (2009): Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Plageder.

Gomes, T. M. (2017): “Apontamentos sobre a inserção das pessoas com transtorno mental no trabalho formal”, Revista em Pauta, 9 (16): 107-124. https://doi.org/10.12957/rep.2017.30383

Gómez, M. C. (2011): “Significados asociados al futuro laboral: entre la informalidad y la informalidad”, Pensamiento Psicológico, 9 (16): 107-124.

Gondim, S. M., Feitosa, G. N., Santos, I. C. Sá, M. O. e Bonfim, M. C. (2006): “Carteira de Trabalho, artigo de luxo. O perfil psicossocial de trabalhadores informais em Salvador, Bahia”, Estudos de Psicologia, 11 (1): 53-64. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2006000100007

Heider, F. A. (1958): Psicologia das relações interpessoais. São Paulo: Livraria Pioneira Editora.

Iriart, J. A., Oliveira, R. P., Xavier, S. S., Costa, A. M., Araújo, G. R. e Santana, V. S. (2008): “Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil”, Ciência & Saúde Coletiva, 13 (1): 165-174. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000100021

Jakobsen, K. (2001): A dimensão do trabalho informal na América Latina e no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo.

Jodelet, D. (2001): Representações Sociais: Um domínio em Expansão. Paris, França: PUF.

Leão, L. H. e Vasconcellos, L. C. (2015): “Cadeias produtivas e a vigilância em saúde, trabalho e ambiente”, Saúde e Sociedade, 24 (4): 1232-1243. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015136460

Macedo, A. R., Costa, F. T. e Justo, J. S (2019): “O mototaxista no mundo do trabalho: precarização, desemprego e informalidade”, Revista Subjetividades, 19 (1): 1-15. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v19i1.e7257

Moscovici, S. (2003): Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Oliveira, J. A., Fernandes, S. C., e Almeida, S. S. (2012): “Análise das representações sociais de catadores de lixo de Sergipe acerca de sua realidade social”, Psico, 43 (1): 55-68. Disponível na web: https://bit.ly/3Dvp09J

Oliveira, R. P. e Iriart, J. A. (2008): “Representações do trabalho entre trabalhadores informais da construção civil”, Psicologia em Estudo, 13 (3): 437-445. https://doi.org/10.1590/S1413-73722008000300004

Organização Internacional do Trabalho (2018): Women and men in the informal economy: a statistical picture. Geneva: ILO. Disponível na web: https://bit.ly/3ms2CHa

Scott, J. (1995): “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”, Educação e realidade, 2 (20): 71-99. Disponível na web: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721

Singer, P. (2001): “Economia solidária versus economia capitalista”, Sociedade e estado, 16 (1-2): 100-112. https://doi.org/10.1590/S0102-69922001000100005

Spindola, T. e Santos, R. S. (2003): “Mulher e trabalho: uma história de vida com mães trabalhadoras de enfermagem”, Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11 (5): 593-600. https://doi.org/10.1590/S0104-11692003000500005

Tavares, M. A. (2015): “O trabalho informal e sua suposta autonomia: uma modalidade flexível de exploração”, Revista Direitos, Trabalho e Política Social, 1 (1): 39-58. Disponível na web: https://bit.ly/3ms7ETZ

Torres, T. L., Bendassolli, P. F., Coelho-Lima, F., Paulino, D. S., Fernandes, A.P (2018): “Representações sociais do trabalho informal para trabalhadores por conta própria”, Revista Subjetividades, 18 (3): 26-38.

Vala, J. (2013): “Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano”, em Vala, J. e Monteiro, M. B.: Psicologia social: 457-502. Lisboa, LX: Fundação Calouste Gulbenkian.

Wachelke, J. F. e Camargo, B.V. (2007): “Representações sociais, representações individuais e comportamento”, Interamerican Journal of Psychology, 41 (3): 379-390. Disponível na web: https://bit.ly/3FmWFDV